segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Publiquei um ebook na Amazon.

Oi pessoal da blogosfera!

Ando um pouco relapsa com o blog né? Pois é, mas as notícias são boas: estou fazendo uma nova graduação (e estou adorando!) e neste sábado coloquei um pequeno e-book na Amazon, chamado: "Manual do Calouro de Humanas- Seu Guia na Universidade".

Ainda não vendi um singelo ebook (risos), mas estou feliz à beça, pois muitas pessoas compartilharam para ajudar e eu espero que chegue até o público alvo dele em breve, para essas vendas deslancharem. 

Bom, sobre o assunto do pequeno livro digital, posso dizer que é uma síntese da minha experiência na faculdade de História. Lá eu conto sobre a diferença entre professores do segundo grau e da faculdade, sobre as provas, sobre os hábitos dos estudantes, sobre como escolher seu tema de monografia e até como conseguir que seu orientador turista corrija sua pesquisa. Em outras palavras : dou vários macetes e dicas úteis para o cotidiano dos alunos.

É claro que não dei spoiler sobre toda a experiência da faculdade, porque aí estragava toda a diversão, mas nessas 30 e poucas páginas, posso dizer que dei uma bela mãozinha. Então, quem tiver algum conhecido em época de vestibular, ou entrando na faculdade agora, é uma boa recomendar essa leitura.

Bem, por último vou deixar o link do livro digital para vocês e quem puder comprar ou compartilhar, terá minha gratidão e talvez um autógrafo (risos).



Beijos da Aleska Lemos

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Dois encontros com Madame Bovary




Amadurecimento pessoal é uma coisa incrível, e às vezes a literatura acaba sendo um termômetro dele.
Há alguns anos, eu li Madame Bovary. Não tudo, infelizmente, pois larguei a história pela metade. Flauber com sua heroína pouco convencional atacava meus valores morais com tudo: na questão do casamento, da família e também da conduta pessoal. Não podia entender como uma mulher que tinha um bom marido, uma casa confortável e uma filha saudável, não valorizasse o que possuía para ficar admirando a grama alheia.
O fato é que Emma não era uma mulher “recata e do lar”, por isso não se sentia conectada com as pessoas de sua família. Beirava ao egoísmo extremo e isso me chocava demais. A identificação com a personagem foi zero.
Alguns dias atrás, porém, vi o filme estrelado por Mia Wasikoska como Madame Bovary. Ele mostrava a personagem de um ângulo mais favorável, porém,  DETESTEI. Os diretores tiraram da personagem tudo o que a caracterizava, para transformá-la numa Effie Grey injustiçada.
O marido de Emma de quem eu senti muita pena na primeira vez, pareceu um pouco tirânico ao não permitir que a esposa fizesse um monte de coisas bobas e um machistão na cama. Como se isso fosse a justificativa para ela querer algo mais da vida. Foi uma péssima construção dos diretores, na minha opinião. Bovary traiu o esposo antes por sua falta de atrativos e caráter insosso do que por algum tipo de vileza do médico.
Acho que diminuíram a personagem, sabe? Não que hoje eu me identifique com ela, mas entendo que se sentisse mal com sua situação de mãe e esposa, pois sei que nem todos são feitos para isso, mas a sociedade continua apontando esse caminho como o único para a felicidade e muita gente cai nessa conversa até hoje.
Dessa forma, me sinto conciliada com a personagem. Não é nada demais o que ela faz, muita gente já fez o mesmo em casamentos infelizes, afinal somos humanos e sempre buscamos a felicidade mesmo que a própria busca, por vezes, seja responsável pela nossa ruína.

domingo, 5 de agosto de 2018

Marketing e Objetividade.

Em primeiro lugar, após terminar de escrever este post prometo que vou no blog de cada um de vocês, meus queridos amigos remanescentes da blogosfera. Não para que comentem este texto, mas porque acho que não retribuí todos os comentários dos posts anteriores, o que foi uma grande indelicadeza de minha parte e peço perdão se deixei alguém no vácuo. Ultimamente só recebo comentários de pessoas queridas por aqui, graças a Deus.

Agora, muito provavelmente vocês estão esperando o "segundo lugar", mas na verdade vou entrar no assunto do post mesmo, o paragrafo acima era mais uma nota introdutória. Então, hoje vim contar sobre a bola de neve que me enfiei nos últimos meses e que tem atrapalhado muito minha produção literária.

Há alguns poucos anos, fiz um cursinho de marketing para autores. Na época eu fiquei meio frustrada porque grande parte da informação era meio óbvia, mas mesmo assim resolvi tentar seguir a cartilha dos professores. Fiz página no facebook, fiz este blog, conta no wattpad e estava me esforçando para colocar conteúdo com uma boa frequência por lá. Achei que iria conseguir colocar tudo nos eixos mas me enganei redondamente.

A primeira decepção foi o Wattpad. É verdade que  muitos autores são descobertos lá, mas a quantidade de histórias mirabolantes e sem estrutura nenhuma desestimula. Até porque, para formar seu público você tem que ler e comentar as histórias dos outros o que certas vezes pode ser um grande sacrifício. Não é culpa dos escritores, eu sei, ainda temos poucos cursos de escrita criativa gratuitos e a nossa educação é deficiente, mas cheguei a conclusão de que não vou mais usar essa ferramenta. Além de tudo, é um risco colocar histórias lá e se expor ao plágio ( isso é o que mais me preocupa, na verdade).

Depois, fui percebebdo que manter a minha página do facebook atrativa diariamente era impossível. Criei algumas memes e tentei colocar umas frases de efeito, mas fui percebendo que estava direcionando minha criatividade toda pra isso e não estava conseguindo escrever uma linha de conto. Foi aí que entrei num período de "dane-se!" e acabei abandonando tudo, inclusive este blog. Mal posso expressar em quão fecundas minhas ideias se tornaram. Estou com vontade de escrever tantas histórias diferentes que não tenho nem dedos para fazê-las.

Por fim, acho que as minhas redes sociais não vão me ajudar a aparecer. É o contrário, quando eu for digna de ser vista, a página do face, este blog e o meu instagram é que vão bombar. Desculpem vocês pessoas objetivas e marqueteiras que elaboram estratégias mirabolantes de fazer jabás, mas isso é um troço escravizante que não dá muito resultado por si só. Então, eu acho que o caminho do escritor é procurar se lapidar e ser criativo. Vá movimentando sua página do facebook, conhecendo outros escritores, participando de concursos e eventos literários que uma hora você vai se dar bem. Tenha fé e não pare de produzir!

Aleska Lemos.

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Sobre contos de fadas

Outro dia, quando eu discutia um jogo de RPG que estou prestes a começar a participar, descobri que a maioria dos participantes apostava que eu escolheria ser uma fada. Achei estranho, na minha cabeça fadas são piriguetes nanicas (sininho teve grande influência no meu imaginário...), mas ao que parece eles chutaram esse personagem por eu gostar de contos de fadas.

Quando eu disse que não gostava desse tipo de literatura por causa desse personagem em especial, me perguntaram porque então eu falo tanto desses contos tradicionais. Na hora eu não soube responder, mas o fato é que eu tenho uma longa história com eles. Então senta que lá vem história:

Tolkien afirma em seu livro "Arvore e folha" que o conto de fadas não é uma propriedade exclusiva da infância. O ser humano em geral gosta da fantasia, do escapismo e essa preferência vai até a idade adulta. Eu concordo com ele, até porque lá na Idade Média quando as histórias de fadas foram surgindo, elas tinham um tom pra lá de brutal: falavam de canibalismo¹, estupro, trapaça e rancor de classe (afinal com o surgimento do senhor feudal, o pobre tinha quase nenhum direito, inclusive não podia caçar nas terras do seu senhor), nada super apropriado para a infância certo? Nessa época, os contos estavam mais próximos da tradição oral de tribos indígenas do que da literatura infantil, pois transmitiam um saber das camadas populares.

Porém, é claro que até hoje gosto de contos de fadas por lembrarem a minha infância, apesar de eu ter lido e visto filmes sobre o assunto durante toda minha vida. No início eu gostava das princesas, até porque as fadas eram sempre secundárias naquele tempo. Só foram ser exploradas amplamente com a Tinker Bell (pra mim vai ser sempre Sininho), mas nesse tempo eu já era grandinha e não tive grande apego à essas personagens. A única fadinha que eu sou fã é a Clara Luz, do livro "A fada que tinha ideias", que me foi dado pela amiga Pandora. Essa garotinha, cheia de amor e imaginação enfrentou as regras ditatoriais da chefe das fadas e libertou seu mundinho da repetição e da falta de criatividade. Tudo isso escrito e publicado durante o Regime Militar Brasileiro. A autora foi muito corajosa.


No entanto, hoje em dia, as princesas nem fazem mais parte do meu rol das preferidas. Continuo gostando dos contos, mas por motivos diferentes, pois na faculdade tive a oportunidade de estudar mais sobre a história dessas narrativas e dei de cara com Giambattista Basile (o cara que escreveu que os bebês da Bela Adormecida foram concebidos enquanto ela dormia) e Charles Perrault, o responsável por adaptar os Contos de Fadas para a infância, moralizando as histórias com fins educativos².

Na verdade, após pesquisar tanto sobre o assunto, fiquei apaixonada não só pelas narrativas simples e efetivas, pois transmitiam um saber ancestral de uma camada da população que não sabia escrever e não tinha como deixar para a História a sua versão dos fatos, como também pelas ilustrações (recomendo Marc Chagall e Gustav Doré) maravilhosas que alguns artistas fizeram para elas. É um universo simples, mas muito rico.

Branca de neve na coleção da Xuxa "conte outra vez"



Bom, agora eu acho que é a hora de dar tchau. Tenho uns exercícios de escrita para fazer e já estou mega atrasada. Espero que tenham gostado deste post e se ficarem interessados em saber mais sobre o assunto é só procurar um desses autores na lista aqui embaixo  que eu super recomendo:

1-Robert Darnton no livro "O grande massacre de gatos"
2- Ana lúcia Merege  no livro "Os contos de fadas"
3-Nelly Coelho no livro "O conto de fadas"
4- Giambattiste Basile no "El Pentamerón" (ou o Pentamerão se você conseguir achar a versão em português)



Tem muitos outros interessantes, mas a maioria são artigos ou monografias que só se encontram em faculdades.De qualquer forma, compre um desses da lista e pesquise os autores da bibliografia. Fica a dica, beijos!

Aleska Lemos








¹Há histórias em que a fome era tanta que os camponeses comiam carne de defuntos. Se você pensar bem, João e Maria também é canibal.
²Um exemplo é a da Chapeuzinho Vermelho. nas versões populares ela era ora devorada pelo lobo ora enganava o lobo com sua mente astuta, mas Perrault transformou a jovem numa burguesa boba e inocente que é engolida pelo lobo e salva pelo lenhador.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Talento ou Prática? O jeito escritor.

Outro dia fui num evento literário e ouvi um comentário que me incomodou muito. A pessoa falava sobre ter que dar apoio àquele amigo que escreveu um livro e de como isso era chato quando o colega não sabia escrever. Segundo ela, era melhor dizer a tal escritor que ele não tinha talento e parar de pagar mico.

Achei uma postura meio cruel, mesmo sendo em tom de piada porque a etiqueta nos proíbe ter essa sinceridade grosseira e imagino que ela não teria coragem de levar essa ideia à cabo (só imagino), mas acontece que ela reforça a ideia de que para escrever você precisa trazer a habilidade consigo, o que sou totalmente contra.

Para escrever, você precisa desenvolver algumas habilidades sim, mas não precisa ser um gênio que traz tudo do berço. Talvez apenas a imaginação tenha que ser uma característica inata, o resto você aprende vivendo. Quer dizer, fazer uma boa redação só depois de fazer dezenas de ruins, conhecer o caráter das pessoas só após  conhecer mil pessoas e quebrar a cara, ser empática só após de anos sendo egoísta e se dando mal, coisas desse tipo.

Então, se o primeiro livro do seu colega escritor for uma merda perdoe e tenha fé que ele vai melhorar. Essa coisa de talento é papo de gente frustrada. O esforço pode te fazer alcançar o mesmo lugar que o talentoso, basta você estudar e praticar sempre que você conseguirá. Não adianta ficar se ligando nessas almas sebosas que gostam de nos dizer que estamos fadados ao fracasso, elas é que tem uma compreensão mais limitada do mundo e não alcançam o "espírito" das coisas, nesse caso o "jeito do escritor" (uma paródia que criei por causa de um vídeo do You Tube chamado "O jeito engenheiro").

Na verdade  cunhar a expressão "o jeito do escritor" também é um pouco errado, porque já que existem vário gêneros literários existem várias formas de escrever e consequentemente varios tipos de escritores. Entretanto sempre gosto de pensar que aquele que inventa histórias é por essência uma pessoa inquieta e que ao por no papel esse comichão intelectual ele se resolve, até a próxima "irritação" aparecer.

Enfim, mas essa foi apenas a minha opinião. A única coisa que tenho certeza é que a musa do post está completamente errada e desejo muita força e fé para vocês que como eu escrevem seus pensamentos mais ínitmos e precisam lidar com essas âncoras da vida.

Grande abraço!
Aleska Lemos.




sábado, 14 de abril de 2018

28 anos

Sempre tive medo de envelhecer. Não, minto, depois que envelheci que adquiri essa fobia.
Não é exatamente uma vontade de permanecer bonita, daqueles tipos de beleza que exalam o frescor da pele e fazem os homens loucos (até porque nunca tive paciência para essa exibição).

O medo é de ter que mudar, me adaptar a um novo papel que infelizmente já vem se avizinhando. Como eu poderia deixar de ter um espírito jovem e brincalhão para ser séria e responsável? Minhas desculpas estão acabando enquanto a coluna me cobra uma nova postura (para não me travar na cama e na vida).

O mais apavorante, entretanto, é olhar para o que gostava antes com um certo distanciamento. Há um bom sentimento de nostalgia, mas parece que aquilo não mais te pertence, ou você que não pertence mais a ele.

Não há mais aquela fé ingênua de que tudo vai dar certo e não se sofre mais de amor como antes. Taí uma vantagem ao menos: as dores não são mais tão profundas, mas fica a dúvida: estarei me tornando uma pessoa rasa? Ou apenas mais forte? É normal não ter grandes sentimentos em relação a nada? Tudo vai ser sempre assim tão morno como um mingau esquecido na mesa ou às vezes teremos momentos de uma intensidade verdadeira?

segunda-feira, 5 de março de 2018

Diários de uma escritora: Dias improváveis.

Olá meus queridos!

No último post eu deixei em aberto se eu faria ou não uma série com esse título "diários de uma escritora", mas acontece que duas coisas maravilhosas ocorreram num espaço muito curto de tempo e eu queria compartilhar com vocês.

A primeira felicidade é que chegou pelo correio o documento que me dá os direitos autorais de uma coletânea que escrevi. O dia foi o mais improvável possível, mas lá estava a cartinha nas minhas mãos ao fim da tarde. É a primeira vez que algo muito bacana acontece depois de um dia cheio de desastres catastróficos (será isso uma hipérbole?).

Quer dizer, na última quinta meu sobrinho fez uma tremenda malcriação para o pai porque não queria tomar banho. Acontece que ele resolveu bater a porta de vidro do boxe e esta se transformou num mar de caquinho e cacões que precisaram de umas duas horas para serem juntados e descartados. 

O menino só teve alguns arranhões, mas o pai cortou três dedos e teve que ser levado às pressas para a emergência. É claro que foi o avô que o levou, porque eu desmaio vendo sangue, mas até eu me surpreendi com o sangue frio que tive (assim que vi a mão do meu irmão agarrei meu sobrinho porque saquei que eu seria mais útil acalmando-o e fugindo da hemorragia antes de desmaiar) porque todos estavam agindo por instinto e nem pensaram em parar de catar cacos e levar o acidentado na emergência (a parte cômica da tragédia).

Passei a tarde (depois de catar os cacos) ajudando minha mãe nas tarefas para que ela pudesse lavar o banheiro e tirar mais cacos (a cada minuto descobríamos mais pedacinhos de vidro em lugares improváveis) e lá pelas cinco quando a avó materna do meu sobrinho chegou a carta veio junto. Aliás além do dia ser improvável, a pessoa que trouxe era mais improvável ainda. Difícil de acreditar nessas improbabilidades, mas como Joseph Climber disse: "A vida é uma caixinha de surpresas", mas ainda bem que eu não virei um peso para papel (risos).

A segunda notícia é que poucos dias depois recebi a resposta de uma editora dizendo que se interessa em publicá-lo. Parece que 2018 vai ser um grande ano! Não sei ainda se o contrato é bacana, mas manterei vocês atualizados podem confiar;)

Agradeço a todos os amigos que torcem por mim. No próximo post falarei mais sobre o livro. Beijos!
Aleska Lemos.

Publiquei um ebook na Amazon.

Oi pessoal da blogosfera! Ando um pouco relapsa com o blog né? Pois é, mas as notícias são boas: estou fazendo uma nova graduação (e es...