quarta-feira, 9 de maio de 2018

Talento ou Prática? O jeito escritor.

Outro dia fui num evento literário e ouvi um comentário que me incomodou muito. A pessoa falava sobre ter que dar apoio àquele amigo que escreveu um livro e de como isso era chato quando o colega não sabia escrever. Segundo ela, era melhor dizer a tal escritor que ele não tinha talento e parar de pagar mico.

Achei uma postura meio cruel, mesmo sendo em tom de piada porque a etiqueta nos proíbe ter essa sinceridade grosseira e imagino que ela não teria coragem de levar essa ideia à cabo (só imagino), mas acontece que ela reforça a ideia de que para escrever você precisa trazer a habilidade consigo, o que sou totalmente contra.

Para escrever, você precisa desenvolver algumas habilidades sim, mas não precisa ser um gênio que traz tudo do berço. Talvez apenas a imaginação tenha que ser uma característica inata, o resto você aprende vivendo. Quer dizer, fazer uma boa redação só depois de fazer dezenas de ruins, conhecer o caráter das pessoas só após  conhecer mil pessoas e quebrar a cara, ser empática só após de anos sendo egoísta e se dando mal, coisas desse tipo.

Então, se o primeiro livro do seu colega escritor for uma merda perdoe e tenha fé que ele vai melhorar. Essa coisa de talento é papo de gente frustrada. O esforço pode te fazer alcançar o mesmo lugar que o talentoso, basta você estudar e praticar sempre que você conseguirá. Não adianta ficar se ligando nessas almas sebosas que gostam de nos dizer que estamos fadados ao fracasso, elas é que tem uma compreensão mais limitada do mundo e não alcançam o "espírito" das coisas, nesse caso o "jeito do escritor" (uma paródia que criei por causa de um vídeo do You Tube chamado "O jeito engenheiro").

Na verdade  cunhar a expressão "o jeito do escritor" também é um pouco errado, porque já que existem vário gêneros literários existem várias formas de escrever e consequentemente varios tipos de escritores. Entretanto sempre gosto de pensar que aquele que inventa histórias é por essência uma pessoa inquieta e que ao por no papel esse comichão intelectual ele se resolve, até a próxima "irritação" aparecer.

Enfim, mas essa foi apenas a minha opinião. A única coisa que tenho certeza é que a musa do post está completamente errada e desejo muita força e fé para vocês que como eu escrevem seus pensamentos mais ínitmos e precisam lidar com essas âncoras da vida.

Grande abraço!
Aleska Lemos.




3 comentários:

  1. É aqui que a gente assina em baixo? Então to assinando em baixo aqui! Concordo muito com você Aleska!

    ResponderExcluir
  2. Olá, querida amiga aleska!
    Aplausos de pé!
    Todos meus livros seriam diferentes se os estivesse escrito hoje...
    Concordo com o que escreveu...
    A inspiração é preciosa e dom... o demais se aprende além dos bancos universitários...
    Ah! O que escreveu, exemplificando, sobre pessoas é bárbaro!
    Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
  3. acho que para escrever um bom livro são muitos fatores. talento pode até ser. mas conheço pessoas q por escreverem muito começam a escrever bem. mas não necessariamente seus livros serão preciosidades literárias. mas poderão ser bons livros informativos. boas biografias. e tudo é muito treino. acho meio surreal alguém achar que um livro de uma pessoa já designe que ela não será talentosa. vários autores que ficaram famosos tiveram livros iniciais ruins. não é regra. bem arrogante achar que pode decidir com um único livro q alguém vai ser ou não talentoso. ficaria incomodada como vc. beijos, pedrita

    ResponderExcluir

Talento ou Prática? O jeito escritor.

Outro dia fui num evento literário e ouvi um comentário que me incomodou muito. A pessoa falava sobre ter que dar apoio àquele amigo que es...